Se Conecte com o Limbo Reverso

Destaque Capa

Dicas e Truques para o Xbox One

Publicado há

em

Se você está entre os fãs fiéis do Xbox One e está se perguntando como pode extrair até a última gota de prazer digital do console da Microsoft, tente estas dicas e truques.

A Microsoft não gosta de falar sobre quantos consoles Xbox One já vendeu. Isso provavelmente ocorre porque a projeção inicial de Redmond de 200 milhões de unidades vendidas está longe de ser concretizada, mesmo oito anos depois. Até 2020 foram contabilizadas 48 milhões de vendas.

Isso está muito longe dos 159 milhões de consoles do PlayStation 4 vendidos. Até mesmo o Nintendo Switch estava com 84 milhões de consoles vendidos à época. Mas ainda assim, 48 milhões representam muitos usuários do Xbox One, e as atualizações do console (com o Xbox One S e o Xbox One X ) só o tornaram melhor.

Se você está entre os fiéis do Xbox One e está se perguntando como pode alcançar todo o potencial do console, reunimos esta lista de recursos que talvez você não conheça e pode estar perdendo.

 

Controle seu Xbox por voz com Cortana


Faz sentido que Cortana, a tecnologia de assistente de voz da Microsoft, controle o Xbox. Na verdade, Cortana está incluída em Configurações> Sistema> Configurações da Cortana (Settings > System > Cortana settings). Você deve ter um fone de ouvido com microfone para usá-la (ou ter um Kinect, mas não vale a pena comprar). Diga “Hey, Cortana” para chamar a atenção dela. Ela é especialmente útil no jogo para tirar screenshots, emitir outros comandos ou para transformar voz em texto ao preencher formulários.

Se a Cortana no Xbox começar a agir de maneira instável, como dizer “Desculpe, não ouvi nada” (Sorry, I didn’t hear anything), embora ela obviamente tenha ouvido o suficiente para ativar, volte às configurações e desligue-a, reinicie e ligue-a novamente (o que requer outra reinicialização).

Controle seu Xbox por voz com Alexa

Se você tiver um alto-falante inteligente (smart speaker) habilitado para Alexa, use-o para controlar o Xbox One por voz quando ele fizer parte da configuração de sua casa inteligente (smart home). No Xbox One, vá para Configurações> Kinect e dispositivos> Assistentes digitais (Settings > Kinect & devices > Digital assistants) e marque a caixa Habilitar assistentes digitais. Em seguida, instale a habilidade (skill) Xbox para Alexa. Quando solicitado pela habilidade (uma habilidade é como um aplicativo de voz para Alexa), insira suas credenciais de conta da Microsoft. Emparelhe o console com sua conta Alexa e comece a falar.

Os comandos padrão começam com “Alexa, diga ao Xbox para …” (Alexa, tell Xbox to…) ou “Alexa, pergunte ao Xbox para …” (Alexa, ask Xbox to…) e, em seguida, você pode adicionar pausa, retomar, aumentar o volume, diminuir o volume, desligar, iniciar [nome do jogo ou aplicativo ] ou tente “Alexa, pergunte ao Xbox o que posso dizer” (Alexa, ask Xbox what I can say) para obter mais opções. Se o Xbox faz parte da configuração de sua casa inteligente, você pode pular a parte “dizer” ou “perguntar” e falar com mais naturalidade para, pelo menos, pausar, retomar, desligar ou ajustar o volume. Aqui está a lista completa de comandos.

Melhor de tudo, se o Xbox One for o único reprodutor de mídia que você tem em seu aplicativo móvel Alexa, o alto-falante inteligente sabe que seus comandos de acompanhamento geralmente são apenas para o Xbox, então você pode tentar dizer apenas “Alexa, pause”ou” Alexa, reproduza” (ou retome ou pule para a frente, etc.)

Aplicativos de Grupo para iniciar

Você pode criar um atalho para um aplicativo ou jogo fixando-o em “Grupos”, que são apenas coleções de aplicativos fixados que você pode acessar facilmente. Clique no botão Xbox () selecione “Meus jogos e aplicativos” (My Games and Apps) e os grupos sairão para acesso rápido. Você pode criar grupos de jogos semelhantes (jogos de corrida) ou aplicativos semelhantes (redes de TV ou reprodução de música). Com um aplicativo ou jogo destacado, use o botão de menu no controle () para adicionar um grupo à tela inicial, renomeá-lo ou mover aplicativos para grupos diferentes. Os aplicativos podem pertencer a vários grupos.

 

Tocar música de fundo

Você tem um aplicativo de mídia específico que reproduz música que deseja manter ativo, mesmo que abra outro aplicativo no Xbox One? Jogue em segundo plano com Pandora, SoundCloud, Spotify e iHeartRadio. Inicie o áudio e depois saia dele para visitar outras áreas da interface, e a música continua.

Se você tem um drive cheio de suas músicas preferidas, coloque os arquivos em uma pasta chamada “Xbox Music Library” (Biblioteca de Músicas do Xbox)  e pegue o aplicativo chamado Simple Background Music Player na App Store.

 

Transmitir jogos para Windows PC / Tablet


O Xbox One é basicamente um computador sofisticado do Windows para jogos. A Microsoft ressalta isso com a capacidade de transmitir jogos facilmente do console para seus PCs ou tablets com Windows 10.

Vá para Configurações> Preferências> Conectividade do aplicativo Xbox (Settings > Preferences > Xbox app connectivity) e em Outros Dispositivos (Other Devices), selecione Permitir Conexões de Qualquer Dispositivo (Allow Connections from Any device). Em “Este Xbox” (This Xbox), marque Permitir streaming de jogos para outros dispositivos (Allow Game Streaming to Other Devices) para que sua máquina com Windows 10 possa obter acesso.

No computador com Windows 10, inicie o aplicativo Xbox Console Companion (que costumava ser chamado apenas de Xbox) na Windows Store. À esquerda, selecione Conexões (pode ser necessário clicar no menu “hambúrguer” na parte superior para vê-lo); no pop-up você deverá ver o nome do Xbox One na mesma rede (para alguns usuários é preciso desligar a VPN para ver). Assim que clicar nele, o aplicativo mostra o que estava tocando no Xbox abaixo. Ao conectar um controle Xbox ao PC com Windows 10, com ou sem fio, você pode assumir o controle e começar a jogar diretamente no PC.

 

Transformar seu Xbox em um monitor de PC sem fio


Você não está limitado a assistir apenas conteúdos do Xbox no Windows. Você pode usar seu Xbox para transmitir seu PC com Windows 10, permitindo que você faça tudo no Xbox e na sua TV de tela grande que você faria no seu PC.

Baixe o aplicativo Wireless Display na loja Xbox e inicie ele. No PC, aponte o cursor para o Centro de Ações (Action Center) e selecione Conectar. Ele procurará monitores sem fio e encontrará o Xbox One. Clique nele. Você também terá que dar permissão para usar o controle do Xbox como um mouse / teclado. Volte para o Xbox e comece a navegar em seu PC com Windows usando o controle, para que você possa acessar coisas que normalmente não consegue no Xbox, como navegadores diferentes do Edge.

Isso também funciona com o Android: transmita a tela do seu telefone ou tablet para o Xbox para facilitar a visualização.

 

Ajustar as configurações de energia


O Xbox One tem duas configurações de energia, que você acessa em Configurações> Energia e inicialização> Modo de energia e inicialização (Settings > Power & startup> Power mode & Startup). Você vai ativar o instantâneo (Instant on), que usa mais energia para mantê-lo em um estado semi-ligado para acesso rápido; ou economia de energia (Energy-saving), que reduz muito mais o consumo de energia.

Enquanto você estiver lá, ajuste seu console para desligar após uma ou seis horas de inatividade (ou não) e se desejar que o console receba atualizações do sistema automaticamente (disponível apenas com Instant-on ativado). Caso contrário, você procura atualizações do sistema automaticamente. As atualizações automáticas de jogos / aplicativos são uma opção, independentemente da configuração de energia escolhida.

 

Fazer Login instantâneo (se você for o único usuário)


Vá para Configurações> Conta> Login, segurança e senha (Settings > Account > Sign-in, security & passkey) e escolha uma conta específica para sempre ter o Login instantâneo. Este é definitivamente o caminho a seguir se você for o único (ou pelo menos o principal) usuário do console. Você também pode vincular contas a controles diferentes, para que seus parentes não precisem fazer login novamente se pegarem seu controle favorito.

 

Salvar uma tela ou gravar clipes de um jogo


Capturar telas ou fazer videoclipes de 30 segundos dos seus gameplays no Xbox One é fácil. Toque no botão Xbox () quando você vê a tela que deseja e pressione Y. Ou toque em X para capturar os últimos 30 segundos do game em um vídeo. (Isso só funciona em jogos, não em outros aplicativos, o que é realmente chato). As fotos capturadas podem ser encontradas clicando e navegando até o ícone de transmissão (Broadcast). O menu mostrará Capture (Capturar); entre e selecione Gerenciar Capturas.

 

Usar o aplicativo para Blu-ray Play


O Xbox One é um player de Blu-ray, enquanto o Xbox One S e One X são players Blu-ray UHD / 4K nativos (mas ainda reproduzem Blu-rays regulares, assim como DVDs antigos). Tudo isso é ótimo, mas adivinhe? Você precisa de um aplicativo, habilmente chamado de Blu-Ray, para reproduzir os discos – ele está na Xbox Store de graça. Você deve receber uma solicitação para instalá-lo na primeira vez que inserir um disco Blu-ray. Vá em Ajustes> Disco e Blu-ray (Settings > Disc & Blu-ray) para desligar a reprodução automática dos discos inseridos. Você também pode desativar o recurso “Retomar reprodução” (Resume Playback) para quando reinserir um disco que tenha assistido e removido anteriormente, mas isso não parece ser uma boa ideia.

 

Passagem para HDMI


A parte de trás do Xbox Onex e do Xbox One S tem uma saída HDMI para conectar diretamente à sua TV ou outro monitor, mas também há uma porta HDMI IN. Ela serve para conectar quase todos os outros dispositivos que você normalmente conecta à TV – seu antigo Xbox 360, um PlayStation, Nintendo Switch, um Roku, Apple TV, Amazon Fire Stick, o decodificador da empresa a cabo – você escolhe. Desta forma, você pode manter o Xbox conectado enquanto usa esses outros dispositivos. Basta carregar o aplicativo de TV gratuito para exibir o outro dispositivo na tela; use o aplicativo OneGuide se você planeja assistir TV ao vivo por meio de um decodificador. Espere um pouco de latência, o que nem sempre é bom em jogos.

 

Usar o smartphone como um controle remoto

O app Xbox para celular (Android, iOS) funciona como um controle remoto para o seu console. (A versão do Windows 10 ainda é chamada de Xbox One SmartGlass; a Microsoft não é boa com nomes). O aplicativo se conectará automaticamente se o dispositivo móvel estiver conectado à mesma conta da Microsoft que o Xbox One e todos os dispositivos estiverem na mesma rede.

Para acessar o recurso remoto, procure um banner na parte inferior da tela do telefone que diz “conectado” e clique no ícone do controle remoto. A interface é simples, mas imita a maior parte as funções de um controle do Xbox One. Clicar no centro da tela é o mesmo que clicar no botão A. Além disso, se você tiver uma caixa de texto, é muito mais fácil inserir texto digitando-o no teclado do telefone do que na tela com um controle do Xbox.

O aplicativo móvel não é apenas um controle remoto para qualquer aplicativo do Xbox One que você esteja usando (experimente com Netflix, Hulu ou YouTube – deslizar para a esquerda ou para a direita é uma ótima maneira de avançar ou retroceder alguns segundos em uma série ou filme), e também é a maneira perfeita de controlar o navegador Edge no Xbox One. O aplicativo também oferece acesso a muitos dos recursos do Xbox One, como compartilhar atualizações com amigos e comprar jogos (este último aparece no console).

 

Remapear os botões do controle


Se você não gostar das opções de botão do controle pré-configuradas, altere-as de acordo com suas necessidades. Vá para Configurações> Kinect e dispositivos> Dispositivos e acessórios (Settings > Kinect & devices > Devices & accessories). Escolha seu controle e clique em configurar abaixo dele. Selecione Novo Perfil na próxima tela para configurá-lo. Se você bagunçar os botões, volte e selecione Padrão. O mapeamento de botões não é tudo que você pode fazer – inverter o eixo nos manípulos ou remapear os gatilhos também.

 

Enviar clipes de vídeo para o YouTube

Era uma vez, você podia fazer upload de clipes dos jogos diretamente usando o aplicativo do YouTube para Xbox. Agora não mais. Em vez disso, use o aplicativo Upload Studio para Xbox One para editar seus clipes de jogo primeiro, adicione clipes à sua conta do OneDrive, acesse-os em seu dispositivo móvel, edite-os com seu aplicativo de edição de vídeo favorito e, em seguida, use o aplicativo YouTube móvel para enviar o clipe do seu celular/ tablet.

 

Transmitir seus jogos para o Twitch

Você pode usar o aplicativo gratuito Twitch para Xbox One para assistir a outras emissoras, mas por que assistir quando você pode se exibir? Você não precisa de um PC ou placa de captura para transmitir. Você precisa vincular as contas que possui no Twitch e Xbox One, fazer login no aplicativo no Xbox, visitar twitch.tv/activate através do PC ou smartphone e inserir um código de seis dígitos que aparece no Xbox.

Depois disso, selecione “Transmitir” (Broadcast) no aplicativo e “Ativar microfone” (Enable Microphone) se quiser ser ouvido. Você pode até usar um Kinect ou uma webcam conectada ao Xbox para se mostrar ao vivo enquanto joga. Dê um título ao seu programa e você será um locutor. Funciona melhor se o seu Xbox estiver conectado ao roteador, em vez de usar Wi-Fi se você não for o único na rede doméstica; O vídeo de a21aaron acima tem muitas dicas.

 

Armazenar mais via USB

Você pode conectar uma unidade de USB flash ou um SSD  USB ou disco rígido em um Xbox para ganhar mais armazenamento. As ressalvas: a unidade deve estar usando USB 3.0 e ter uma capacidade mínima de 256 GB (máximo: 16 terabytes). Se você precisar de ainda mais armazenamento, conecte duas unidades (esse é o limite).

Conecte a unidade e, se for compatível, o Xbox One o guiará pela configuração – você a formatará para uso com Mídia ou Jogos e Aplicativos (Games & Apps). Mesmo unidades que nem sempre são adequadas para armazenamento de jogos podem ser usadas para armazenamento de mídia (vídeo / música), em um formato que permite mover a unidade para um PC; se a unidade estiver formatada para jogos e aplicativos, ela funcionará apenas com o Xbox One. O melhor de tudo, com uma unidade muito, muito rápida – digamos 7200 RPM – será mais rápido do que a unidade do próprio Xbox One, então os jogos podem carregar ainda mais rápido.

Visite Configurações> Sistema> Armazenamento (Settings > System > Storage) para obter mais opções, como mover jogos baixados existentes para a nova unidade.

 

Reorganizar a fila de download

Se você está fazendo muitos downloads e deseja baixar logo algo específico, mova-o para cima na fila. Selecione os jogos ou aplicativos baixados na página Meus jogos e aplicativos (My Games & Apps) que podem esperar, clique no botão do menu de hambúrguer () e selecione pausa. Ou selecione “Instalar agora”  (Install Now) no pop-up para priorizar o download mais importante.

Verificar o uso da Internet


Se seu provedor de internet (ISP) limita os dados, mas você tem medo de que a exibição de vídeo do Xbox One possa atrapalhar esse limite, verifique em Configurações> Rede> Configurações de rede> Uso de largura de banda (Settings > Network > Network Settings > Bandwidth usage). Na verdade, isso não vai impedi-lo de assistir – isso é culpa sua -, mas lhe dará uma ideia do quanto você usou de internet.

 

Atualização do painel (DashBoard)

Se você estiver na tela principal do Xbox One – o painel – e ele estiver com problemas ou a tela travar, mantenha pressionados os botões de gatilho direito (RT) e esquerdo (LT) junto com a tecla Y por alguns segundos e depois solte. Isso deve fazer com que a tela inteira seja atualizada.

 

Fonte: PCMag (adaptado)

Continuar Lendo
Clique para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DC Comics

As melhores histórias da DC Comics de todos os tempos – leitores da Newsrama

Publicado há

em

Leitores do site Newsrama votaram nas melhores histórias da DC Comics de todos os tempos, e abaixo vamos conhecer os resultados.

Uma crise está se formando nas páginas dos quadrinhos da DC este ano – ou melhor, uma Crise (com ‘C “maiúsculo). Esse é o nome para os eventos de crossover dos quadrinhos de alto nível da DC que têm uma tendência para ações desenfreada de super-heróis que torna os quadrinhos incríveis.

Enquanto esperamos pela próxima Crise, agora temos tempo para olhar para trás, e conferir as melhores histórias em quadrinhos da DC até hoje – que apresentam várias Crises. Mas qual é a melhor história de quadrinhos da DC de todos os tempos? É uma questão que sempre desperta o debate entre os fãs.

Por exemplo, como você pode escolher entre O Reino do Amanhã (Kingdom Come) ou O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight Returns)? E quanto à Crise nas Infinitas Terras? Bem, o objetivo aqui é responder a essas perguntas difíceis.

Tanto faz se você quer acompanhar algumas histórias clássicas na preparação para filmes da DCU, como O Batman (The Batman), ou apenas revisitar alguns clássicos, sem mais enrolações, aqui estão as melhores histórias em quadrinhos do Universo DC de todos os tempos.

 

10. O que aconteceu ao Homem de Aço? (Whatever Happened To The Man Of Tomorrow?)

Credito da Imagem: DC Comics

Como você elogia a história de um personagem em duas edições curtas? Essa é a pergunta que Julius Schwartz procurou responder, e ele contratou Alan Moore para fazer isso – e então Moore concretizou a ideia com “O que aconteceu ao Homem de Aço?”.

Com os eventos de Crise nas Infinitas Terras efetivamente encerrando a Era de Prata, Schwartz imaginou que suas duas últimas edições produzindo a linha do Superman seriam as últimas na história da humanidade. Em duas edições curtas, Alan Moore criou um roteiro através da história do Superman que incluía seus vilões mais temíveis e seus amigos mais próximos.

E, finalmente, ele dá ao homem que tem tudo a única coisa que faltava: um final perfeito. Parte da razão pela qual este é um tributo tão perfeito ao Homem de Aço é que o lendário artista Curt Swan executou a arte. Ele desenhava o Super-homem desde 1948 e desde as letras de abertura “Esta é uma história imaginária” até o final, quando ‘Jordan Elliott’ pisca para os leitores, esta parece uma história do Superman com início, meio e fim.

A história homenageia o legado de um dos maiores heróis do mundo ao mesmo tempo em que zomba das mudanças de continuidade que estavam para ocorrer.

 

9. Flash – O Retorno de Barry Allen (The Return Of Barry Allen)

Créditos da Imagem: DC Comics

No período de Crise nas Infinitas Terras, Wally West se tornou o novo Flash, passando de ajudante a super-herói com a morte de seu mentor Barry Allen. A transição de Wally não ocorreu sem dores de crescimento, no entanto. Ele não conseguiu conquistar os leitores até que Mark Waid começou sua corrida marcante no Flash, dando a Wally a profundidade que muitas vezes faltava em seu antecessor.

Embora seja difícil argumentar que alguma vez houve uma calmaria na execução original do Flash de Waid, ‘O Retorno de Barry Allen’ é provavelmente o seu ápice. Nesta história, Wally é confrontado com o retorno do falecido Barry Allen – uma história que, sob a caneta de outro escritor, pode ter sido um sincero drama exagerado, mas para Waid, foi uma prova da ascensão de Wally ao verdadeiro heroísmo, e o momento que solidificou ele como o verdadeiro Flash.

Ao longo de seis edições, Wally e Barry lutam para compartilhar o manto do Flash até que a verdade sobre o retorno seja revelada. Escrito em um estilo de conversa que lembra Wally contando a história a um amigo, é tanto uma conversa entre Waid e os leitores sobre legado e heroísmo quanto entre os personagens nos quadrinhos.

‘O Retorno de Barry Allen’ é uma espécie de pioneiro anônimo dos quadrinhos modernos, combinando uma perspectiva do homem comum com uma narração moderna e uma compreensão dos ideais clássicos que o tornam um dos melhores exemplos de narrativa de super-heróis do final do século 20, e um das melhores histórias da DC de todos os tempos.

 

8. Jovens Titãs – O Contrato de Judas (The Judas Contract)

Créditos da Imagem: DC Comics

Quando ‘Jovens Titãs – O Contrato de Judas’ começou em New Teen Titans n. 42, a surpresa não foi a aparente mudança da personagem Terra. Marv Wolfman e George Perez passaram quase um ano apresentando Terra aos Titãs e fazendo-a parte do grupo e então contaram aos leitores seu terrível segredo meses antes que os Titãs descobrissem sua verdadeira natureza.

O choque dessa edição foi o quão total e completamente ela e Exterminador (Deathstroke) possuíam os Titãs porque ela conhecia todos os seus segredos naquele ponto. No auge de suas energias criativas, as histórias de Wolfman e Perez eram sobre os indivíduos únicos que compunham os Titãs. Todos os personagens são tão fortes que a introdução de uma peça chave como Terra para a equipe foi uma ótima maneira de agitar as coisas.

‘O Contrato de Judas’ também se concentra na história de Dick Grayson contra Exterminador enquanto os dois guerreiros manobram seus aliados para combater as forças do outro, culminando na transição de Robin para sua nova persona super-heróica, o Asa Noturna (Nightwing).

Assim como Grayson sai da sombra de seu mentor, esta história prova que os Titãs são muito mais do que apenas um time universitário júnior da Liga da Justiça.

 

7. Lanterna Verde – A Guerra dos Anéis (The Sinestro Corps War)

Créditos da Imagem: DC Comics

Por anos, a Tropa dos Lanternas Verdes permaneceu como o melhor e mais brilhante do universo, defendendo a galáxia por meio do uso da arma mais poderosa do cosmos – seus anéis de poder esmeralda.

Mas com o épico de ópera espacial repleto de ação Lanterna Verde – A Guerra dos Anéis (The Sinestro Corps War), Geoff Johns e Dave Gibbons, junto com artistas de primeira linha como o brasileiro Ivan Reis e Patrick Gleason, mostraram a Hal Jordan e companhia que eles não eram os únicos com anéis poderosos na área.

Apresentando a estreia da Tropa Sinestro movida pelo medo, ‘Lanterna Verde – A Guerra dos Anéis’ foi um momento crucial para os Lanternas Verdes como uma organização e uma franquia, com uma fileira de supervilões icônicos da DC lançados contra a equipe, incluindo Parallax, Superman Ciborgue, Superboy Primordial (Superboy-Prime) e o próprio Antimonitor.

No entanto, este livro também teve momentos-chave dos Lanternas Verdes se erguendo para este desafio sem precedentes, com momentos como John Stewart trocando fogo de franco-atirador interestelar com a criatura parecida com um caranguejo eremita conhecida como Bedovian, os Guardiões revogando seu decreto de eras contra a morte, ou a promoção do Lanterna Verde Daxamita Sodam Yat como o novo e todo-poderoso Ion enquanto ele enfrenta o imparável Kryptoniano Superboy-Primário.

Culminando com algumas grandes batalhas e resgates pessoais, ‘Lanterna Verde – A Guerra dos Anéis’ também levou a uma maior expansão do universo Lanterna Verde como um todo, sugerindo o surgimento de mais cinco tropas baseadas nas cores do espectro emocional. Essa explosão de criatividade e ação não apenas solidificou essa como uma das maiores histórias dos Lanternas Verdes, mas uma das maiores história da DC de todos os tempos.

 

6. O Retorno do Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight Returns)

Créditos da Imagem: DC Comics

Mais de 30 anos após o lançamento original em quatro partes, O Retorno do Cavaleiro das Trevas de Frank Miller, Klaus Janson e Lynn Varley é inegavelmente uma das histórias de Batman mais poderosas já contadas. Um conto violento encenado por trás de um pano de fundo de paranóia da Guerra Fria e pesadelos de uma revolta de adolescente, The Dark Knight Returns acompanha Batman quando ele sai da aposentadoria para travar uma guerra contra uma cidade de Gotham que não tolerará mais que um homem pratique a lei com suas próprias mãos.

O Bruce Wayne de Miller é um cowboy de cabelos prateados mergulhado em uma distopia dos anos 80, um robusto saco de ossos doloridos que se encontra fisicamente derrotado por uma nova geração de gangues ferozes e o retorno de seu arquiinimigo, o Coringa. Finalmente, com o início da guerra nuclear entre os EUA e a União Soviética, cabe ao Superman derrubar um Batman determinado a limpar as ruas de Gotham.

Embora escrito e ilustrado quando Miller tinha apenas 29 anos, O Retorno do Cavaleiro das Trevas parece o trabalho de um homem muito mais velho. É um olhar satírico sobre o panorama da mídia em evolução dos anos 80, quando a TV se tornou mais voltada para os jovens e até mesmo as notícias começaram a se voltar para o entretenimento, como exemplificado por muitos comentaristas de televisão que narram os eventos do livro de maneiras que beneficiam suas próprias agendas distorcidas.

Embora o tempo e os incontáveis ​​problemas de um Batman mais duro tenham suavizado o impacto original da visão pessimista de Frank Miller sobre o Maior Detetive do Mundo, seu lugar na história dos quadrinhos não pode ser subestimado. Só por essa razão, ‘O Retorno do Cavaleiro das Trevas’ merece um lugar na biblioteca de todos os leitores.

 

5. DC: A Nova Fronteira (The New Frontier)

Créditos da Imagem: DC Comics

Em uma era moderna de cinismo nos quadrinhos, o falecido Darwyn Cooke foi capaz de mostrar o potencial otimista latente do Universo DC na agora clássica Nova Fronteira. A história é tudo o que Watchmen e O Retorno do Cavaleiro das Trevas não são, com os personagens famosos da DC exibindo seus melhores traços e inspirando o mundo e os leitores a lutar por um amanhã melhor no início da era nuclear. Cooke captura uma América recém-saída da Segunda Guerra Mundial e antes de uma mudança cultural, onde a única maneira de os quadrinhos serem respeitados era se eles fossem primeiro arrastados para a sarjeta.

A Nova Fronteira é ousada em seu amor pelo super-herói como um ícone pelo qual a humanidade poderia se esforçar. Personagens muitas vezes mal apresentados como Caçador de Marte, Mulher Maravilha e Adam Strange recebem suas melhores interpretações aqui. Cooke simultaneamente chega ao âmago desses personagens e, por meio disso, os reinventa ao mesmo tempo.

A arte de Cooke é um casamento perfeito de influências da história da DC – de Jack Kirby ao desenho animado Fleischer Superman e Batman: The Animated Series. Até mesmo o estilo de arte do criador traz o melhor da Era de Prata da DC, com cada herói sorrindo para o nascer do sol em um estilo art déco do pós-guerra. A obra de arte de Darwyn Cooke, A Nova Fronteira, é um retrato do melhor lado da DC e incorpora toda a coragem e esperança que esses personagens representam em uma carta de amor perfeita endereçada à Era de Prata dos quadrinhos.

 

4. Superman – Grandes Astros (All-Star Superman)

Créditos da Imagem: DC Comics

A intenção de Grant Morrison com a série de 12 edições Superman – Grandes Astros (All-Star Superman), que levou quase três anos para terminar sua edição original, era criar uma história do Superman que fosse renovada e clássica atemporal. Ele faz isso atribuindo a tarefa simples de como Superman passaria seus últimos dias na Terra.

De uma forma que é um antídoto para sua morte exploradora anterior nos anos 90, Superman é visto completando uma série de tarefas, ou ‘provações’ no sentido mais mítico (ou talvez até bíblico). É uma narrativa que celebra tudo o que amamos sobre o Último Filho de Krypton. Morrison canaliza seu conhecimento enciclopédico do Homem de Aço em uma história singular de uma forma que nunca parece didática, permitindo participações especiais e aparições de praticamente todas as épocas dos quadrinhos do Superman sem precisar abrir o Multiverso para fazê-lo.

Desnudando o personagem à sua essência mais heróica, Frank Quitely dá uma virada definidora de carreira no livro, colocando o herói como uma versão super relaxada de um alienígena quase onipotente. Do Superman de peito largo, uma extensão lógica de como seria o ser humano definitivo, até o extremo oposto no vulnerável Lex Luthor, Quitely tem uma maneira de capturar a majestade e a humanidade desses personagens.

All-Star Superman continua a ser uma história quintessencial do Superman para novos leitores e também aqueles com grandes coleções de quadrinhos.

 

3. Legião Dos Super-Heróis. A Saga Das Trevas Eternas (The Great Darkness Saga)

Créditos da Imagem: DC Comics

3. Legião Dos Super-Heróis. A Saga Das Trevas Eternas (The Great Darkness Saga) é uma das histórias mais antigas nesta contagem regressiva, e não há muitas referências no moderno Universo DC, mas permanece firme como um exemplo do que as histórias da DC podem alcançar quando elas combina o clássico com o nouveau e encontra um terreno comum em ideias díspares.

‘A Saga Das Trevas Eternas’ conta a história de Darkseid, o senhor das trevas de Apokolips, abrindo caminho para o século 31. A história reuniu vários vilões da Legião de Super-Heróis, unindo-os com aspectos do Universo DC do século XX. Definiu a era da Legião e preparou o cenário para o que viria nos anos seguintes.

Essa saga não é apenas o destaque da jornada de Paul Levitz e Keith Giffen em Legião Dos Super-Heróis, é um dos maiores contos do moderno Universo DC, e um dos principais motivos pelos quais tantos fãs ainda clamam pela Legião mesmo quando não faz parte da linha da DC.

 

2. Crise nas Infinitas Terras (Crisis On Infinite Earths)

Créditos da Imagem: DC Comics

A continuidade da DC até os anos 80 foi rica em nostalgia, mas complicada com inconsistências, levando ao primeiro megaevento real na história da empresa: Crise nas Infinitas Terras, que abalou DC em seu núcleo, remixando sua linha do tempo e anunciando o início de uma prática de embaralhamento de continuidade repetida a cada década desde então.

Apresentando a ameaça literalmente devastadora do Antimonitor, esta crise reuniu dezenas de heróis de todo o Multiverso e foi o cenário das mortes então chocantes de Barry Allen e Supergirl. Marv Wolfman e George Perez fizeram malabarismos com um universo cheio de personagens, reunindo mais painéis e ação em uma edição do que muitas séries modernas cabem em várias temporadas. Terras viveram e morreram, resultando em um verdadeiro épico que resistiu ao teste do tempo 30 anos depois.

O legado de Crise também não pode ser esquecido, com a continuidade simplificada estabelecendo Wally West como o novo Flash e lançando séries bem recebidas como Superman O Homem de Aço (Man of Steel) de John Byrne, o arco Batman: Ano Um (Year One), de Frank Miller e David Mazzucchelli e a jornada da Mulher Maravilha (Wonder Woman) de George Perez.

 

1. O Reino do Amanhã (Kingdom Come)

Créditos da Imagem: DC Comics

O conto da velha guarda ‘O Reino do Amanhã (Kingdom Come)’, de Mark Waid e Alex Ross com heróis da DC enfrentando a obsolescência em um mundo protegido por uma geração mais jovem e mais cruel de super-heróis é tão poderoso agora como era quando foi publicado pela primeira vez em 1996.

Graças à compreensão de Waid das personalidades titânicas com as quais ele lida, sua apresentação que os faz mais humanos do que deuses elevados, e os visuais lindos pintados por Ross, O Reino do Amanhã é frequentemente o primeiro livro mencionado quando as pessoas são questionadas sobre quais são suas histórias favoritas da DC.

Enquanto O Reino do Amanhã permanece como um testamento emocional para o conhecimento quase sobre-humano de Mark Waid sobre o Universo DC e imenso talento de Alex Ross por trás de um pincel, ele também recompensa os leitores que se encontram voltando repetidamente para a série distópica Elseworlds de Waid e Ross. Seja o fato de que Ross usou a imagem de seu próprio pai, um reverendo, como inspiração para o personagem de ponto de vista Norman McCay ou o confronto final repleto de cameos (participações) de Waid que ainda revela novos heróis em meio ao calor da batalha, esta história parece nova a cada releitura, apesar de estar nas prateleiras há mais de 20 anos.

O Reino do Amanhã é um clássico em todos os sentidos da palavra e continua a ser a melhor história que a DC já produziu – e com 2021 marcando o 25º aniversário do lançamento da história, esperamos alguma atenção renovada pela DC.

 

Fonte: Gamesradar (adaptado)

Continuar Lendo

Destaque Capa

Invencível (Invincible): Diferenças entre a Série e Quadrinhos

Publicado há

em

Invencível (Invincible), da Amazon Prime, é bastante fiel ao seu material de origem. Fisicamente, a maioria dos personagens superpoderosos da série parecem semelhantes aos seus homólogos dos quadrinhos, e seus poderes permanecem relativamente inalterados. O ritmo da história também permanece intacto: nos quadrinhos, o jovem Mark Grayson fica sabendo de sua herança Viltrumita proveniente de seu pai, assim como acontece na série. Na verdade, a cena em que testemunhamos pela primeira vez seus poderes se manifestarem na animação de TV – quando ele involuntariamente joga um saco de lixo nas nuvens – se desenrola de forma idêntica em “Invincible” nº 1 de 2003.

Mas poucas histórias de super-heróis em quadrinhos, se houver, sobrevivem à sua transição para a tela sem incorrer em algumas mudanças, e “Invencível” não é exceção. Algumas das diferenças entre a página e a tela existem por motivos legais. Algumas existem para refletir o mundo real com mais precisão. Alguns surgiram apenas para contar uma história mais divertida. Quaisquer que sejam os motivos que os criadores tiveram, essas são algumas das maiores diferenças entre “Invencível” da Amazon Prime e a série de quadrinhos que começou tudo.

 

(Aviso – há grandes spoilers de Invencível abaixo, tanto série quanto dos quadrinhos!)

 

Como surge o codinome de Invencível

Fonte: Image Comics // Tradução livre: “Você não é invencível, sabe”.

O codinome de super-herói do personagem Mark Grayson é único em alguns aspectos. Para começar, ele escolhe um adjetivo: é como se Clark Kent protegesse Metrópolis como “Super”. Por outro lado, considerando a frequência com que Invencível aparece hospitalizado, há um pouco de ironia ligada ao nome.

A forma como Mark inventa o codinome na série não se afasta muito dos quadrinhos – o que muda é a fonte. Perto do final do episódio de estreia, Nolan diz ao filho: “Crianças da sua idade pensam que são invencíveis e isso os impede, torna-os descuidados. O fato é que você é diferente. Na verdade, é invencível”. Pela expressão no rosto de Mark, sabemos que a inspiração grudou na mente dele.

Em contraste, na primeira edição da história em quadrinhos, é o diretor do colégio de Mark que lhe dá o nome. Mark é chamado à sala do diretor depois de proteger outro aluno de um valentão muito maior. Sem saber dos poderes de Mark, o diretor o avisa: “Você não é invencível, sabe.” Novamente, vemos a palavra dar a Mark a ideia de que ele precisa. Além disso, em vez de revelar o nome em uma luta com o vilão cibernético Kill Cannon, como acontece na série, “Invincible” n. 1 termina com Mark revelando o codinome para um esquadrão de ladrões de banco relativamente comuns.

 

A versão Invencível da Amazon oferece aos fãs muito mais diversidade

Fonte: Amazon Prime Video

Uma das maiores mudanças entre os quadrinhos “Invincible” e a série animada é o foco deste último projeto na diversidade – inclusive no que diz respeito ao próprio Invencível. Em uma entrevista de abril de 2021 à CBR, o co-criador de “Invencível”, Robert Kirkman, disse que nos quadrinhos a raça de Mark Grayson “é, mais ou menos, ambígua”. Na série da Amazon, no entanto, Mark é birracial: sua mãe Debbie é coreana-americana.

Junto com Mark e sua família, vemos uma visão mais ampla da humanidade no círculo social de Mark também. Amber – o interesse amoroso de Mark durante a maior parte da 1ª temporada – é negra na série de TV, mas branca no material de origem. Amber também é um personagem muito mais complexo, com uma personalidade mais forte na adaptação da Amazon, e tem uma reação muito diferente quando Mark se autointitula como Invencível. Depois, há William, que é abertamente gay desde o início da série. Nos quadrinhos, ele leva um tempo para entender sua sexualidade.

Em declarações à CBR, Kirkman disse que uma representação mais ampla é “a coisa certa a fazer”. Além disso, é prático: há “uma quantidade enorme de pessoas por aí que não se vêem no que consomem”, observou Kirkman, e assim “há um público faminto por essas coisas; na verdade, beneficia projetos”.

 

Uma cena sangrenta de Invincible é muito diferente nos quadrinhos

Fonte: Image Comics // Tradução livre:O sentimento era mútuo“.

Para quem nunca leu o material original, a cena final de “Já Estava na Hora” (It’s About Time) é uma surpresa sangrenta. Os Guardiões do Globo são enganados e convocam uma reunião de emergência em sua sede. Assim que os heróis chegam, Omni-Man revela sua face verdadeira e mata todos eles. Embora ele seja claramente a maior potência do embate, a equipe combinada lhe causa problemas o suficiente para que ele desmaie devido aos ferimentos no final.

Os assassinatos dos Guardiões são um caso muito mais decisivo no material de origem. Assim como ele faz na série, em “Invincible” n. 7 de 2003, Omni-Man atrai a equipe para sua sede. Ao contrário da longa batalha que vemos na série, no entanto, Omni-Man mata todos, exceto um dos Guardiões, enquanto se move tão rapidamente que nem mesmo o único sobrevivente – o Imortal – é capaz de identificar o assassino. Assim que Omni-Man se revela, o Imortal exclama: “Você! Eu nunca gostei de você”. Omni-Man decapita o Imortal com um único golpe e responde: “O sentimento era mútuo”.

 

Debbie Grayson é muito mais complexa no Invencível da Amazon

Fonte: Amazon Prime Video

Uma personagem que ganha muito mais profundidade em sua transição da página para a tela é Debbie, esposa de Omni-Man e mãe de Invencível. Embora esteja claro que Debbie quer acreditar que Nolan não é capaz dos crimes que cometeu, a investigação de Damien Darkblood eventualmente muda sua mente. Nolan descobre suas suspeitas e, a princípio, parece que ele pode conseguir escapar delas com um charme. Mas, no final das contas, Debbie o vê como ele realmente é.

No material de origem, Debbie não é tão ativa. Seja devido à negação ou porque Nolan é muito inteligente para todos, Debbie é totalmente ignorante sobre a duplicidade de seu marido até que tudo seja revelado. Na verdade, os fãs da série que não leram os quadrinhos provavelmente ficariam chocados com a forma como Debbie reage após a revelação. No final de “Invincible” nº 14 de 2004 – duas edições depois que Omni-Man bate em Invencível quase até a morte – Mark chega em casa e encontra sua mãe chorando no chão da cozinha. Quando ele tenta confortá-la, Debbie o culpa, gritando: “Por que você teve que lutar com ele, Mark? Por que você teve que afastá-lo?”

 

A vingança de um mordomo é cortada de Invincible da Amazon

Fonte: Image Comics // Tradução livre:O que você fez, velho amigo? O que você fez?“.

Uma pequena história deixada de fora da série de TV envolve um plano de vingança mal concebido que interrompe um funeral. Em “Invincible” nº 8 de 2004, heróis de outras séries publicadas pela Image Comics como Savage Dragon, Mighty Man e SuperPatriot se reúnem para homenagear os Guardiões caídos. Enquanto Omni-Man faz o elogio aos heróis, o monumento de pedra atrás dele explode, e Sanford, mordomo do falecido Guardião Sansão Negro (Black Samson), aparece no céu, vestindo a armadura de poder de seu empregador.

O problema de Sanford com os Guardiões é que eles, segundo ele, abandonaram seu empregador. Em algum momento antes dos eventos de “Invincible”, Sansão Negro perdeu seus superpoderes. Como resultado, os Guardiões deram a ele seus documentos de demissão. Sanford está furioso porque os Guardiões morreram antes que ele pudesse se vingar e jura destruir seus corpos em retaliação. Escolher atacar um funeral cheio de super-heróis prova ser tão estúpido quanto parece, e não demorou muito para que os planos do mordomo fossem frustrados.

 

Invincible da Amazon dá a Cecil Stedman uma atualização

Fonte: Image Comics // Tradução livre:Oh, Deus… Você acordou” / “Eu… Eu pensei que poderia ser um sonho…”

Como chefe da Agência de Defesa Global (GDA), Cecil Stedman é essencialmente a resposta da série de TV a Nick Fury da Marvel, e um dos personagens mais importantes da animação. Ele suspeita dos crimes do Omni-Man antes de qualquer outra pessoa, e geralmente é Stedman quem permite que os novos Guardiões, Invencível e outros saibam sobre as ameaças iminentes. Uma vez que Omni-Man fica abertamente desonesto, Stedman organiza a pouca resistência que a Terra pode oferecer contra ele.

Nos quadrinhos, no entanto, Cecil Stedman não se torna uma parte importante de “Invincible” até depois da vitória sangrenta de Omni-Man sobre Mark. Na verdade, ele nem conhece Mark até “Invincible” n. 13 de 2004, quando nosso herói está se curando das feridas infligidas por seu pai. Ao contrário de sua contraparte na adaptação da Amazon, Stedman aqui afirma ter sido tão ignorante quanto todos os outros sobre os planos de longo prazo do Omni-Man. Embora ironicamente, ele admite sua ignorância ao entregar uma lista de suas credenciais de espião-mestre de uma forma notavelmente presunçosa. Por exemplo, ele diz a Mark: “Tenho uma posição tão elevada no governo dos EUA que nem mesmo tenho uma posição. Estou tão acima do chefe da CIA que ele nem sabe que eu existo”.

 

Outra pessoa envia Invencível para encontrar um inimigo nos quadrinhos

Fonte: Image Comics // Tradução livre:Esse é bom” / “Você acha que isso é um jogo?” / “De jeito nenhum“.

Em “Ou Vai ou Racha” (Here Goes Nothing), Invencível tem sua primeira briga espacial com o poderoso e telepático Allen, o Alien. Nos quadrinhos, essa briga acontece em “Invincible” nº 5, de 2003, e na maior parte se desenrola da mesma forma que na série. Invencível e Allen lutam, e Allen é finalmente revelado como um Oficial de Avaliação que testa os defensores de diferentes planetas. Logo após a partida de Allen, Invencível tem um momento alucinante ao olhar para a Terra da superfície da lua.

A única grande diferença entre a página e a tela é como Mark acaba lutando contra Allen em primeiro lugar. Nos quadrinhos, Omni-Man liga para Mark e pede a ele que cuide do alienígena que se aproxima da Terra porque ele está em uma missão importante com os Guardiões e não pode ser poupado. Na série de TV, no entanto, a luta acontece depois que os Guardiões foram todos assassinados. Cecil Stedman aparece na casa de Grayson para pedir ajuda a Omni-Man, Debbie protesta que ele ainda está se recuperando de seus ferimentos, e Mark se oferece para tomar seu lugar. Pode parecer uma pequena diferença, mas muda a dinâmica da história: Cecil tem outra chance de falar com Omni-Man sobre os assassinatos dos Guardiões, o que permite que Omni-Man saiba que Cecil está em seu encalço.

 

Invencível tem mais dificuldade para aprender a voar na série

Fonte: Image Comics // Tradução livre:Uau. Eu poderei voar?

Mark Grayson não adquire o dom de voar imediatamente em “Já Estava na Hora” e sofre algumas aterrissagens que o matariam se ele não tivesse sua durabilidade aprimorada.

Mark primeiro tenta voar no meio da noite sem contar a ninguém, quase provoca um acidente com um jato de passageiros, perde a consciência em grande altitude e acorda pouco antes de cair na rua. No dia seguinte, enquanto seu pai o treina na arte de voar, Mark parece melhorar – mas quando Omni-Man diz a ele para pousar, ele não consegue descobrir como diminuir a velocidade. Ele cai mais uma vez, desta vez criando uma cratera maior.

Os quadrinhos, no entanto, não nos mostram esses problemas iniciais de voo. Em “Invincible” n. 1, Mark sobe em seu telhado no meio da noite para testar seu vôo, assim como na série. A princípio, ele fica acanhado com a perspectiva de pular da borda, mas assim que o faz e flutua em vez de cair, seus problemas em estar no ar chegam ao fim.

 

Um dos quadrinhos favoritos de Invencível é um pouco diferente na série

Fonte: Image Comics

Um dos pequenos detalhes que você deve ter notado em “Invencível” da Amazon é que seu personagem principal é, apropriadamente, um fã de quadrinhos. Em particular, seu personagem favorito parece ser o feiticeiro antropomórfico Séance Dog. Mark o chama de “um Jack Russell Terrier que é um mestre nas artes metafísicas”, e as fotos que vemos dos pôsteres e quadrinhos do herói canino apresentam um traje que lembra o do Doutor Estranho.

Os fãs dos quadrinhos “Invincible”, no entanto, provavelmente esperavam um easter egg ligeiramente diferente. No material de origem, não é Séance Dog o personagem admirado por Mark, mas Science Dog. Robert Kirkman e Cory Walker deram ao protagonista do cão gordinho suas próprias histórias de apoio nas edições de “Invincible”, que mais tarde foram reimpressas como quadrinhos de uma única edição e, eventualmente, uma coleção própria.

Em março de 2021, Kirkman disse a Decider que a mudança foi feita para manter as opções abertas para uma possível adaptação do “Science Dog”. Embora não tenha identificado nenhum plano específico para o “Cão da Ciência”, Kirkman disse que a propriedade foi mantida fora do negócio com a Amazon, caso surgisse uma oportunidade.

 

Um personagem que se sacrifica no Invencível da Amazon tem um destino diferente nos quadrinhos

Fonte: Image Comics

Um personagem de “Invencível” sai cedo da série de TV. No penúltimo episódio da 1ª temporada “Precisamos Conversar” (We Need to Talk), o agente do GDA Don Ferguson se sacrifica para dar a seus colegas tempo para escapar de Omni-Man e uma chance de atordoá-lo com uma explosão. No final das contas, entretanto, isso nem mesmo diminui a velocidade do vilão. Embora Ferguson não seja o personagem mais importante na série de TV ou nos quadrinhos, sua morte na 1ª temporada é uma das partidas mais potencialmente impactantes do material de origem.

Como seu chefe Cecil Stedman, Ferguson faz sua primeira aparição em “Invincible” n. 9 de 2004. Ao contrário de sua contraparte na TV, ele não apenas sobrevive pelo resto da série, como ele finalmente se revela um ciborgue. Supondo que ele não tenha ressuscitado – o que não é necessariamente uma suposição segura quando se fala em mídia de super-heróis – sua passagem em “Precisamos Conversar” marca a primeira morte de um personagem que, de outra forma, seria uma presença de longo prazo.

 

A invasão dos Flaxan dos quadrinhos Invincible se desenrola de forma diferente

Fonte: Image Comics / Tradução Livre:Sim, e se não existissem tantos deles… nós estaríamos ganhando essa batalha

Considerando uma dica bastante forte lançada no final do final da 1ª temporada, é certo que não vimos o último dos flaxans de pele verde em “Invencível” da Amazon. Será interessante ver como seu enredo progride, especialmente considerando o quão diferente sua invasão é tratada nos quadrinhos. De várias maneiras, a série conta a história dos quadrinhos de trás para frente.

Na animação, os alienígenas fazem sua primeira tentativa de invasão em “Ou Vai ou Racha”, enquanto Omni-Man ainda está se recuperando dos ferimentos que recebeu ao assassinar os Guardiões. Com Omni-Man e os Guardiões mortos, cabe a Invencível e a Equipe Adolescente lutar contra eles. No final do episódio, Omni-Man está de volta para ajudá-los. Ele mergulha no portal para o mundo natal dos Flaxans e, fora dos olhos curiosos da Terra, causa destruição massiva e morte antes de voltar para casa.

Em “Invincible” nº 3 de 2003, são na verdade Invencível e Omni-Man quem luta pela primeira vez contra os Flaxans. Enquanto eles repelem a invasão, um dos Flaxans captura Omni-Man e o traz para sua dimensão natal. Omni-Man não retorna até a próxima edição, quando ele conta a Mark e Debbie uma história sobre perder temporariamente seus poderes e liderar uma revolta contra seus captores.

 

A introdução de Damien Darkblood é muito diferente nos quadrinhos

Fonte: Image Comics / Tradução Livre:Ele saiu agora. Não sei quando ele voltará. Quer deixar algum recado para ele?” / Sim. Diga a ele que eu tenho pistas sobre o caso dos Guardiões do Globo assassinados. Eu estou perto de descobrir quem fez aquilo”. / “Hã? Todo mundo sabe que Omni-Man fez aquilo. É um caso encerrado. Você não costuma ver notícias muito, né?”

Uma das figuras mais misteriosas da primeira temporada de “Invencível” da Amazon é Damien Darkblood. O detetive demoníaco parece ser um dos primeiros personagens da série a suspeitar da culpa do Omni-Man pelo assassinato dos Guardiões, e é em grande parte a investigação de Darkblood que desperta as suspeitas de Debbie sobre seu marido. Na verdade, Darkblood chega tão perto da verdade que o chefe do GDA, Cecil Stedman, o bane para o Inferno, temendo que revelar Omni-Man como o assassino antes que o GDA esteja pronto seja um erro.

Embora Darkblood faça parte da investigação de assassinato dos Guardiões nos quadrinhos “Invincible”, ele está longe de ser uma figura proeminente e, na verdade, é tratado como uma espécie de piada. Ele é apresentado ao entrevistar Omni-Man em “Invincible” nº 8 de 2004. Ele revisita a cena do crime duas edições depois. Em “Invincible” n. 16, ele aparece no Pentágono exigindo ver Cecil, porque está “perto de descobrir quem” assassinou os Guardiões… embora, como a recepcionista de Cecil lhe disse, já seja de conhecimento geral que Omni-Man é o culpado.

Também fica bem claro nos quadrinhos que Darkblood é uma paródia do infame anti-herói Rorschach da revolucionária série de quadrinhos “Watchmen. Quando encontramos Darkblood pela primeira vez em “Invincible” n. 8, ele aparece completamente de costas, e parece ser na verdade Rorschach. Ele até compartilha a marca registrada de Rorschach, “Hurm”, e a borda distinta e caótica em seus balões de diálogo.

 

Invencível vs. Omni-Man

Fonte: Image Comics / Tradução Livre:Por favor.

O final da primeira temporada de “Invencível”, “A Verdade” (Where I Really Come From), é implacável em seu retrato brutal da batalha unilateral entre Invencível e seu pai. No material de origem, os eventos descritos no episódio acontecem ao longo de duas edições de quadrinhos: “Invincible” de 2004 n. 11 e n. 12. O final da 1ª temporada prova ser um dos momentos mais precisos dos quadrinhos da série. Existem, no entanto, algumas diferenças importantes.

Por um lado, nos quadrinhos, o foco está totalmente na luta entre Invencível e Omni-Man. Na série, a ação ocasionalmente corta para o GDA, onde Cecil e Debbie assistem à batalha. Também vemos os novos Guardiões, que discutem se devem ou não ajudar Invencível. Por outro lado, enquanto as palavras do Omni-Man sobre sua esposa são cruéis na série – ele diz que ela é “mais como um animal de estimação” para ele do que uma esposa – nos quadrinhos, Omni-Man é ainda mais cruel. Ele diz diretamente ao filho: “Sua mãe não significa nada para mim”.

Mais significativamente, a sede de sangue de Omni-Man é intensificada na série. Está claro nos quadrinhos que as pessoas estão morrendo na esteira da batalha e que Omni-Man não se importa. Na série da Amazon, no entanto, Omni-Man faz questão de maximizar as baixas para “educar” Mark sobre ser um Viltrumita. A cena mais chocante no final da temporada, em que Omni-Man mantém Mark no caminho de um trem de metrô que se aproxima, não acontece no material de origem.

Fonte: Looper (adaptado)

Continuar Lendo

Destaque Capa

Como fazer um ótimo arremesso (Great Throw) em Pokémon GO

Publicado há

em

 

O objetivo do treinador em Pokémon GO é capturar todos os Pokémons. Felizmente, existem várias maneiras de obter um “ótimo arremesso” (Great Throw).

Isso é especialmente importante quando um jogador está enfrentando um Pokémon mais desafiador ou quando está atacando um chefe de raid (raid boss) e espera capturar um Pokémon lendário depois.

Mesmo certas tarefas de pesquisa (research task) exigirão uma quantidade específica de ótimos arremessos. Independentemente do raciocínio, lançar Pokébolas (Pokeball) de forma eficaz é metade da batalha em Pokémon GO.

No entanto, é mais fácil falar do que fazer arremessos ótimos ou mesmo excelentes em Pokémon GO. Felizmente, existem muitas dicas e truques para ajudar os treinadores a acertar cada lance para capturar um Pokémon.

 

Fazer um ótimo arremesso (Great Throw) em Pokémon GO

O que exatamente é um ótimo lançamento em Pokémon GO? Quando os treinadores ganham mais experiência durante o jogo, eles começam a notar o círculo ao redor de um Pokémon enquanto tentam pegá-lo.

É possível manipular o tamanho do círculo segurando a Pokébola antes de jogá-la (Imagem via Niantic)

O círculo ao redor do Pokémon alterna entre maior e menor. Quando o círculo está no seu maior e uma Pokébola é jogada dentro, isso resultará em um arremesso “Nice!” (Bom!). Quando o círculo está no seu menor tamanho, colocar a Pokébola no meio desse pequeno círculo vai resultar em um arremesso “Excellent!” (Excelente!).

Para fazer um arremesso “Great!” (Ótimo!) e ser capaz de fazer vários arremessos do tipo “Great!”, você precisará lançar a Pokébola no centro do círculo quando ela estiver entre o tamanho menor e o maior. Também é importante notar que é possível manipular o tamanho deste círculo segurando a Pokébola antes de jogá-la.

Lembre-se, o tamanho do Pokémon é importante quando se trata desses círculos. Pokémon maiores têm tendência a ter círculos maiores. Portanto, é mais provável que os jogadores façam um arremesso “Ótimo!” em um Pokémon maior.

Fonte: Sportskeeda (adaptado)

Continuar Lendo

Populares